ACQUABIOS
saude e bem estar / 28 Jun, 2019
Conheça os riscos causados pelo excesso de cloro na água

Se você conhece um pouco sobre o processo de limpeza da água nas estações de tratamento, sabe que o cloro é um dos elementos químicos presentes. Mas você já se perguntou o que o excesso na ingestão desse mineral pode causar ao ser organismo?

Vantagens

A cloração, ou seja, a adição de cloro à água, é utilizada em larga escala para evitar a proliferação de vírus, bactérias e protozoários. O cloro é um mineral bastante eficaz para tornar a água potável, retirando suas impurezas. Além disso, o elemento tem boa eficiência bacteriológica, já que é capaz de matar e de impedir a multiplicação de microrganismos. 

O mineral também é eficaz em desinfetar a água e é um dos principais responsáveis pelo controle e erradicação (em boa parte do planeta) de doenças como febre tifoide, disenteria e cólera. De acordo com a revista Scientific American, alguns defensores da cloração (como a American Water Works Association, grupo que representa as empresas de água nos EUA), consideram esse processo como uma das maiores conquistas da história da saúde pública.  

Desvantagens

A principal desvantagem da cloração é a capacidade de o cloro interagir com compostos orgânicos presentes em canos, tubulações e reservatórios de água, pois o produto desse contato são os trihalometanos (THMs) que, quando ingeridos, podem estimular a proliferação de radicais livres capazes de destruir ou danificar células do corpo humano. Essa exposição ainda poderia gerar problemas nas artérias devido ao aumento do colesterol LDL, problemas respiratórios, de pele e até mesmo alguns tipos de cânceres, como no rim e na bexiga.

Os especialistas também apontam para a suspeita de bronquite e asma. De acordo com o biólogo Valdir Natal Rochinheski, especialista em Ciências do Meio Ambiente, um estudo publicado no American Journal, diz que a inalação de vapores com cloro - como a água do banho quente - pode provocar estes problemas, além do ressecamento dos cabelos e da pele, provocando eczemas.

Como aproveitar as vantagens e reduzir os riscos?        

A utilização de purificadores de água e de filtros aparece como consenso entre os pesquisadores. Segundo ambos os artigos, o uso de elementos filtrantes de qualidade pode eliminar ou reduzir drasticamente o excesso de cloro, descartando os efeitos nocivos e preservando a qualidade da água. Outro ponto importante destacado pelos artigos é o uso de filtros nos chuveiros e nas lavadoras de roupa, já que nesses pontos, a água também entra em contato, diretamente e indiretamente, com grande parte da nossa pele.

Acesse o menu produtos e conheça a linha de purificadores e filtros Acquabios.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saiba mais
saude e bem estar / 17 Sep, 2019
Como decidir que água beber!

Você sabe quais as características ideais da água potável? Em cada região mudam as características da água. Para saber a composição química daquela que chega à sua casa, solicite a informação para a companhia de saneamento que a fornece na sua cidade.

Para se manter potável, a água passa por diversas formas de tratamento, contudo, você tem a garantia de que ela atende a legislação vigente. Mesmo assim, para ser consumida, é preciso que ela passe por um processo de limpeza e organização. O objetivo é torná-la inodora, insípida, incolor, com PH neutro ou alcalino e baixo índice de sódio.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que a ingestão diária de sódio seja de até 2000mg. Você sabia que algumas das marcas mais conhecidas de água mineral precisam adicionar muito sódio à água para conferir características de PH neutro/alcalino a sua composição? Veja nos rótulos, água com menor índice de sódio sempre possui baixo índice de PH e vice-versa.

A ÁGUA DA TORNEIRA, QUANDO FILTRADA, PASSA POR UM PROCESSO DE RETIRADA DE IMPUREZAS, REDUÇÃO DE CLORO LIVRE E EQUILÍBRIO DE SUAS CARACTERÍSTICAS NATURAIS.

Na hora de beber água, prefira água filtrada. Sabe por quê?

Porque a rede de saneamento garante o fornecimento dentro dos padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde e o filtro certificado dentro das condições estabelecidas na Portaria 344 do INMETRO garante que o equipamento passou por testes rigorosos de qualidade da água. Nesses testes, é exigido que o PH da água seja superior a 6,5 após filtrada, que ocorra uma redução de cloro superior a 75%, que as impurezas suspensas na água sejam retidas e os níveis de extraíveis e eficiência bacteriológica atendam aos padrões de segurança estabelecidos pela NBR 16098. Isso tudo garante água pura, leve, sem cheiro, sem gosto, sem turbidez e neutra para o seu consumo.

 

Saiba mais
saude e bem estar / 23 Jan, 2020
O que está acontecendo com a água no Rio de Janeiro?

Há mais ou menos 15 dias, os moradores de oito cidades do Rio de Janeiro foram surpreendidos quando ligaram as torneiras de suas casas. A água, que deveria escorrer livre de cor, cheiro e sabor, apareceu com coloração barrenta, odor forte e gosto alterado.

A Cedae - Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro, responsável pelo abastecimento da região, disse que as características da água estavam alteradas devido a proliferação de algas em um ponto do rio Guandu. O problema apareceu por conta da substância geosmina, encontrada nas amostras e liberada pelas algas.

Segundo a Cedae, a proliferação da substância ocorreu devido a quantidade de chuvas e ao calor extremo que atingiu o estado, no entanto, o consumo de água não estaria comprometido.

Ao contrário do que sustenta a Companhia, cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ afirmam que o problema é mais grave, já que a substância geosmina se prolifera devido a presença de matéria orgânica na água. Segundo os pesquisadores, a fonte real do problema são os rios que despejam esgoto no ponto de captação da água no rio Guandu. Sem resolver esse problema, não há solução completa e a saúde dos moradores fica comprometida.

A Cedae informou, no dia 16/01, que um estoque de carvão ativado seria utilizado para fazer o tratamento da água. Em entrevista concedida ao G1 , Julio Cesar da Silva, chefe do departamento de engenharia sanitária e de meio ambiente da UFRJ disse que ao entrar em contato com o carvão ativado, as substâncias indevidas presentes na água aderem a ele, deixando a água livre de odor e sabor estranhos.

Os filtros da Acquabios possuem carvão ativado na sua composição e podem ser usados como reforço na purificação e filtragem da água, tanto para consumo próprio quanto para proteção de chuveiros, máquinas de lavar louça, máquinas de lavar roupa, entre outros aparelhos. A água com presença de substâncias estranhas é prejudicial à saúde dos consumidores, pois pode causar diarréia e alergias de pele, entre outros problemas, além de danificar eletrodomésticos. Por isso, o uso de filtros é recomendado em todas as áreas do país, já que reforçam a purificação da água, retirando as impurezas e oferecendo maior tranquilidade para toda a família.

Em situações extremas, no entanto, recomenda-se não consumir a água até que o abastecimento seja normalizado.

Link da matéria G1:

https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/01/16/cedae-anuncia-chegada-de-carvao-ativado-para-tratamento-de-agua-do-rj-entenda-como-funciona-processo.ghtml

 

Saiba mais
saude e bem estar / 24 Apr, 2020
Água: em tempos de coronavírus, ainda mais essencial

O mundo enfrenta um inimigo silencioso: “coronavírus” e a Covid-19, doença causada por ele, se alastrou por todos os continentes. Há algumas semanas todos os noticiários e todas as conversas informais falam sobre o assunto.

Por conta dessa pandemia a água ainda está presente nos noticiários, mas desta vez, rebaixada como figurante ao lado do álcool gel. É que uma das recomendações para se proteger do novo coronavírus é a de lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos a cada 3 horas ou usar o álcool gel, na falta de uma torneira por perto. Essa dica acabou escancarando uma triste realidade para todos os brasileiros, afinal, quem são as pessoas que têm acesso à água tratada no país? E quantas pessoas não podem se proteger desse vírus e de outras enfermidades por conta do desabastecimento ou da má qualidade da água?

Várias reportagens exibidas pela grande mídia apontam para esse problema, ainda sem solução. Outras, mais otimistas, mostram como a quarentena forçada de milhões de pessoas ao redor do mundo, em poucos dias, já consegue minimizar a poluição da atmosfera e dos rios. Na China, primeiro epicentro da epidemia, as medições das emissões de carbono reduziram em 150 milhões de toneladas métricas se comparadas ao mesmo período do ano passado, e isso durante o período de três semanas de quarentena. As informações foram divulgadas pelo Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo - CREA, com base nos Estados Unidos a partir de imagens de satélite produzidas pela NASA e pela Agência Espacial Europeia - ESA.

A Itália, considerada um dos epicentros do coronavírus, também apresenta uma redução significativa durante esse período de quarentena. Segundo informações coletadas pelo satélite Copérnico Sentinel-5 da ESA, o país registrou uma redução de 20 a 30% nas emissões de dióxido de nitrogênio e outros gases do efeito estufa, melhorando consideravelmente a qualidade do ar. Além disso, os famosos canais de Veneza parecem ter voltado à vida após a proibição da atividade turística e o isolamento dos moradores. A água turva voltou a ficar cristalina - por conta da sedimentação dos resíduos pela falta do movimento de barcos e gôndolas e não pela melhora na qualidade - mesmo assim, cardumes de peixes foram novamente vistos nos canais e até cisnes e patos se atreveram a nadar por lá.

De maneira alguma essas mudanças significam que a pandemia de coronavírus, de alguma forma, é benéfica para o planeta. Mas, ela pode e deve nos fazer questionar muitas coisas sobre o modo como vivemos atualmente, completamente predatório e insustentável. Para que esse tipo de isolamento forçado e completo não volte a acontecer no futuro, por motivos ambientais, quais mudanças podemos implementar desde agora nas nossas relações de trabalho e hábitos diários? Quais medidas devemos tomar para a preservação de nossos recursos naturais e pela melhoria da qualidade do ar, da água, da terra e da vida no planeta?

A Acquabios deseja que você esteja em segurança, com acesso à água limpa e que adote as medidas de prevenção para frear a contaminação em massa. Cuide de si mesmo, cuide da sua família, da sua saúde física e mental, mas não deixe de olhar para o mundo e para as lições que ele nos oferece neste momento tão conturbado.

Saiba mais
saude e bem estar / 14 May, 2020
Dicas para manter saúde mental no isolamento social

A pandemia de COVID-19 e o isolamento social vêm acompanhados, muitas vezes, de sentimentos de angústia, medo, estresse e ansiedade. Esta situação inédita pode causar problemas à saúde mental de profissionais em todas as áreas.

 

Mas como contribuir para que a saúde mental de seus colaboradores durante a pandemia do coronavírus? Trazemos algumas dicas para compartilhar!

 

  • Mantenha-se conectado: esteja em contato com a sua equipe por meio de chamadas de vídeo e mensagens em grupo; 
  • Compreenda a situação: incentive seus colaboradores a compartilharem seus sentimentos, não apenas com a equipe de trabalho, mas com amigos e familiares próximos; 
  • Crie uma rotina agradável: para aqueles que estão em home office, sugira a criação de uma rotina diária com horários e tarefas determinadas; 
  • Faça atividades: crie novas atividades e incentive seus colaboradores a terem hobbies, ainda que em isolamento social. A troca de dicas de leitura e entretenimento é uma sugestão; 
  • Pense de forma realista: com tanta insegurança, ser pessimista demais pode ser ainda mais perigoso para a saúde mental. Por isso, seja realista ao abordar o assunto com os colegas e colaboradores. Pensamentos muito pessimistas podem criar um clima ainda mais desconfortável;
  • Limite a exposição: é muito importante se manter informado e compartilhar dados relevantes com a equipe, contudo, o excesso de notícias pode gerar ansiedade. Assim, limite o seu tempo de exposição aos portais de notícias, televisão e até mesmo redes sociais. Além disso, procure sempre fontes confiáveis.

 

Além destas dicas, é importante lembrar que os comportamentos em geral podem ser bastante afetados, mas em caso de dúvidas, aconselhe que seus colaboradores – e você – procurem ajuda de profissionais.

 

 

 

 

Saiba mais