ACQUABIOS
24 Apr, 2020
Água: em tempos de coronavírus, ainda mais essencial

O mundo enfrenta um inimigo silencioso: “coronavírus” e a Covid-19, doença causada por ele, se alastrou por todos os continentes. Há algumas semanas todos os noticiários e todas as conversas informais falam sobre o assunto.

Por conta dessa pandemia a água ainda está presente nos noticiários, mas desta vez, rebaixada como figurante ao lado do álcool gel. É que uma das recomendações para se proteger do novo coronavírus é a de lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos a cada 3 horas ou usar o álcool gel, na falta de uma torneira por perto. Essa dica acabou escancarando uma triste realidade para todos os brasileiros, afinal, quem são as pessoas que têm acesso à água tratada no país? E quantas pessoas não podem se proteger desse vírus e de outras enfermidades por conta do desabastecimento ou da má qualidade da água?

Várias reportagens exibidas pela grande mídia apontam para esse problema, ainda sem solução. Outras, mais otimistas, mostram como a quarentena forçada de milhões de pessoas ao redor do mundo, em poucos dias, já consegue minimizar a poluição da atmosfera e dos rios. Na China, primeiro epicentro da epidemia, as medições das emissões de carbono reduziram em 150 milhões de toneladas métricas se comparadas ao mesmo período do ano passado, e isso durante o período de três semanas de quarentena. As informações foram divulgadas pelo Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo - CREA, com base nos Estados Unidos a partir de imagens de satélite produzidas pela NASA e pela Agência Espacial Europeia - ESA.

A Itália, considerada um dos epicentros do coronavírus, também apresenta uma redução significativa durante esse período de quarentena. Segundo informações coletadas pelo satélite Copérnico Sentinel-5 da ESA, o país registrou uma redução de 20 a 30% nas emissões de dióxido de nitrogênio e outros gases do efeito estufa, melhorando consideravelmente a qualidade do ar. Além disso, os famosos canais de Veneza parecem ter voltado à vida após a proibição da atividade turística e o isolamento dos moradores. A água turva voltou a ficar cristalina - por conta da sedimentação dos resíduos pela falta do movimento de barcos e gôndolas e não pela melhora na qualidade - mesmo assim, cardumes de peixes foram novamente vistos nos canais e até cisnes e patos se atreveram a nadar por lá.

De maneira alguma essas mudanças significam que a pandemia de coronavírus, de alguma forma, é benéfica para o planeta. Mas, ela pode e deve nos fazer questionar muitas coisas sobre o modo como vivemos atualmente, completamente predatório e insustentável. Para que esse tipo de isolamento forçado e completo não volte a acontecer no futuro, por motivos ambientais, quais mudanças podemos implementar desde agora nas nossas relações de trabalho e hábitos diários? Quais medidas devemos tomar para a preservação de nossos recursos naturais e pela melhoria da qualidade do ar, da água, da terra e da vida no planeta?

A Acquabios deseja que você esteja em segurança, com acesso à água limpa e que adote as medidas de prevenção para frear a contaminação em massa. Cuide de si mesmo, cuide da sua família, da sua saúde física e mental, mas não deixe de olhar para o mundo e para as lições que ele nos oferece neste momento tão conturbado.